Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

E se deixar de mexer no telemóvel desse água?

Mäyjo, 04.02.16

 

Ficar dez minutos sem mexer no telemóvel dá um dia de água potável a crianças carenciadasA Unicef, há quase 2 anos, teve uma iniciativa , chamada Tap Project. Pediu a todos os utilizadores de iPhone para deixarem o seu smartphone parado, em cima de uma superfície rígida, durante dez minutos. Se o conseguissem fazer, o desafiado conquistava um dia de água potável para uma criança que não tinha acesso a este recurso.

A campanha pode parecer artificial, mas a Unicef dizia que ela ajudaria algumas das 768 milhões de pessoas do mundo, que ainda não possuem acesso a água potável, a garantir este recurso básico.

O smartphone tinha de estar ligado no site da campanha e o utilizador deveria carregar no start. A cada dez minutos sem mexer no aparelho, os patrocinadores da Unicef garantiam que uma criança teia acesso a água potável.

A cada desafio cumprido, eles comprometiam-se a doar a quantia necessária para fornecer água para uma criança necessitada.

A ideia é consciencializar as pessoas para o problema da falta do recurso no mundo – e para a importância em economizá-lo – ao tirar destas algo que realmente elas dão importância, o telemóvel – neste caso o iPhone, uma vez que o jogo não funciona com nenhum outro smartphone. É que o site da campanha lê os sensores, precisamente, do iPhone, pelo que se o utilizador mexer nele, ele recebe essa informação.

O recorde do Tap Project é de mais de 275 horas sem mexer no aparelho, o que significa que este utilizador já garantiu um dia de água para 1.650 crianças necessitadas.

Ainda que seja por uma boa causa, este projecto acaba por deixar uma sensação estranha no ar. Não haverá uma forma mais simples – e quiçá menos interesseira – de ajudar quem não tem acesso a água potável?

Foto:  DFAT photo library / Creative Commons